Um dos serviços que sempre oferecemos para os nossos clientes quando fazemos a criação do logotipo é o Manual de Identidade Visual ou simplesmente MIV, e é comum eles fazerem as seguintes perguntas:

O que é o Manual de Identidade Visual?

O MIV é um manual com normas técnicas, recomendações e especificações para o uso da marca. O seu objetivo é preservar a uniformidade e coerência da comunicação da marca, mantendo suas propriedades visuais, identificação e reconhecimento independentemente da mídia onde será aplicada.

Ele pode ter diferentes tamanhos de acordo com o porte da empresa, da complexidade da marca e das aplicações. Podendo ser impresso ou apenas digital.

Por que devo ter um MIV?

A sua marca não é só um desenho legal com uma fonte legal, ela é a imagem da empresa. Por isso é importante zelar por essa imagem, mantendo uma homogeneidade na forma como ela é aplicada nos diversos meios de comunicação.

Vou pegar a Apple como exemplo, imagine o caos que seria a comunicação dessa empresa se ela não tivesse o seu manual! Cada um que pegasse para fazer as artes, site, matérias, entre outros. Iriam aplicar da forma que achassem melhor.

Você deve estar pensando, “mas minha empresa não é tão grande assim, não é uma Apple!”. Independente do tamanho da empresa, o manual é fundamental. Como já falei lá em cima, o seu tamanho é adaptável para o porte da empresa, podendo conter apenas as especificações necessárias para para o seu tamanho.

Mesmo empresas pequenas precisam se preocupar no como ela é vista e lembrada. Lembre-se que muitas vezes a primeira impressão é a que fica, então comece a zelar por essa aparência.

Quais os principais itens de um MIV?

Independente do tamanho da empresa esses itens são essenciais, e já ajudam a dar as principais características da sua marca. São eles:

  1. Introdução – pode ser uma breve apresentação da empresa, ou o conceito do logotipo ou até mesmo uma mescla dos dois.

  2. Versões da marca – precisamos prever as variantes da marca, afinal, queremos que ela fique bem em todos os formatos, então é comum termos a versão horizontal e a versão vertical. Nem sempre o logotipo pede essa variação, vai depender muito de como é o seu logo.

    Também temos as versões monocromáticas, positivo e negativo, para que se evite descaracterização da marca.

  3. Limitações da marca
    Área de não interferência, em algum momento a sua marca vai ser usada junto de outras e para manter a leitura é necessário especificar qual vai ser o distanciamento mínimo para os outros elementos.

    Redução mínima – A redução demasiada de qualquer marca dificulta a sua leitura e o seu reconhecimento. Então para manter o padrão estipulamos o mínimo aceitável para cada mídia.

    Usos incorretos – tudo que não pode ser feito com o logo é mostrado neste tópico.

  4. Tipografia – mostramos qual a fonte usada no logotipo, que em hipótese alguma pode ser alterada. Apresentamos também a tipografia institucional, que é muito importante para manter uma coerência visual nos textos usados em seus materiais.

  5. Paleta de cores – apresentamos as cores junto com os códigos para que seja sempre utilizado as cores corretas, seja em um impresso ou digital.

  6. Aplicações – uma amostra de como se comporta a marca sendo aplicada, normalmente, em papelaria (cartão de visitas, papel timbrado, envelope). A variedade de aplicações vai depender muito de empresa para empresa, aqui podemos ter aplicações em uniformes, brindes, frota de automóveis, sinalizações internas e externas, e por ai vai….

Como pudemos ver o manual é um guia, que pode ser usado por designers, agência e também pelo RH da empresa, já que pode conter o modelo das sinalizações e uniformes, além de outras diretrizes. Não deixe de ter esse cuidado com a sua marca.